Número total de visualizações de página

terça-feira, 1 de outubro de 2013

No fim de algo que me leva

No fim de algo que me leva

Sinto os pés molhados
Chove
Sou o mendigo do amor
Que de olhos vendados
Tem um coração que se comove
Serro as pálpebras para pensar
Perco-me de pés na água, num riacho poluído
Chove
Sinto a chuva nas costas deslizar
Sinto o peso do meu pensar
A prova dos nove
Nas contas de um amor sofrido

Tenho os pés brancos pelo frio
Os olhos serrados
E penso
Penso em tudo, mas tudo é vazio
E chove
Chove num corpo que treme… Num pio

Canta a ave agoirenta
É nove
É noventa
É tudo ou nada
Pés na água e mente cansada
Penso… Penso em ti devagar
Tão devagar que sinto a brisa
O frio que vem para me levar
O gelo já não sente a camisa

E os olhos vendados pelo amor
Sabem de cor

As cores da água cristalina
Incolor
Poluída pela dor
Assim me sinto na despedida
Pés que já não servem para caminhar
Já não me levanto
Meu pensar
É vago… Quase inexistente
Perdido sem saber
Saber se já sou gente
Que possa sorrir e os olhos
Abrir
Neste corpo nu

Espero que me respondas…
…Tu


José Alberto Sá

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.